Busque em todo o blog do Jornal de fato

Entre em contato conosco: defatojornal@gmail.com / 99209-9899

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Edição nº 96 – Jan/2009
Brumadinho: orçamento para 2009 pode chegar a R$ 108 milhões
Brumadinho teve em 2001 uma arrecadação de R$ 17.728.000,00, maior do que o previsto em 18%. Para 2009, a previsão é de arrecadar R$ 83.000.000,00, podendo chegar à casa dos 108 milhões, se tiver o maior crescimento dos últimos 4 anos, 30%; ou 95 milhões, se tiver o menor, de 15%.
Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Só Rindo
Coisas de casal
Um casal vinha por uma estrada do interior, sem dizer uma palavra. Uma discussão anterior havia levado a uma briga, e nenhum dos dois queria dar o braço a torcer. Ao passarem por uma fazenda em que havia mulas e porcos, o marido perguntou, sarcástico:
___ Parentes seus?
___ Sim, respondeu ela.. Cunhados e sogra...

Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
de fato dá a dica
Luís Fernando Veríssimo, por Reinaldo Fernandes

Estava eu na ilha de Morro de São Paulo, na Bahia, 7da manhã, Quarta Praia, deitado numa rede do “redário” da pousada Tatiba, lendo Veríssimo, o filho Luís Fernando, de frente de uma piscina natural de águas cristalinas maravilhoso e sem nada para fazer naquele dia – e na semana toda. Mas isto, o nada para fazer a não ser curtir aquele paraíso, não era o melhor. “Bom mesmo”, como diria o próprio, era Luís Fernando Veríssimo. Melhor que ele, só leitura de romance policial e ficção científica, e olhe lá! O cara é o que a gente pode chamar de “o cara!”
Inteligente, culto, sacana, trabalha com a língua profundamente como é profundo conhecedor da alma humana – em especial da alma verde-amarela (embora o verde esteja se acabando). Às vezes engraçado, às vezes irônico. Quase sempre as duas coisas juntas.
Em A mulher do Silva (15ª Ed., Porto Alegre: L&PM, 1997) é hilário especialmente em “Mauro”, o chato; “Beijos”, “A procura”, “Nova carta de intenções”, “Retroativo”, “Fofinhos”; em O marido do dr. Pompeu (Porto Alegre: L&PM, 1997) o é em “A comadre”, “A redecoração”, “Excursão”, “Literárias”,”Atuações”, “O assalto”, “A situação” e “Mentira”.
É crítico sagaz em “Elefantes”, “Lenin e Mc Cartney”; trágico em “Isabel” e galanteador em “A serenata”. Enigmático em “O homem que desapareceu no Prado”, “A vingança”, “Caixinhas” e “A espada”. E fantástico em “O caso Ló”. Agora, se seu companheiro ou companheira é ciumenta pra caramba, “Mentira” é um belo tratado: peça para ele ler.
Sabe você ali, livro na mão, na fila, no lotação, todo mundo sério e você gargalhando, pára, lê mais um pouco, dispara a gargalhar de novo, o povo te olhando como se você fosse louco? É isso! Luís Fernando Veríssimo é isso!

Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Espaço Poético
III Concurso de Poesias do Jornal de fato

Arrepender-me jamais


Não arrependo-me...
Dos presentes que lhe dei
Sem datas nem motivos
Foram dados com carinho
Que a ti eu entreguei.

Não arrependo-me...
Do tempo a ti dedicado
Foram momentos felizes
Que guardo do passado.

Não arrependo-me...
Das caras e bocas que fiz
Pra ficar legal nas fotos
Hoje olho-as com saudades
Aquele que não mais toco.

Não arrependo-me...
Das broncas que dei
Todas tiveram motivos
Mas perdoe se exagerei.

Não arrependo-me...
De amar quem não me amou
De fazer planos futuros
A quem nunca comigo sonhou.

Não arrependo-me...
Das lágrimas que derramei
Por quem não as mereceu
Hoje o que resta é saudade
De alguém que nunca foi meu!

Poeta: Dirlayme Mayre da Silva Costa – Pseudônimo: Kayssa Mylla

Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96

Edição nº 96 – Jan/2009
Opinião
O Acordo Ortográfico: não perca tempo decorando as novas regras

Reinaldo Fernandes

Entrou em vigor, no último 1º de janeiro, o Acordo Ortográfico firmado entre os países de língua portuguesa. Pelo acordo, muda-se a ortografia de um conjunto de palavras de cada país, tornando-as com a mesma grafia para todos os países.
Se a proposta fosse apenas para o Brasil, eu diria que ela é inócua (por enquanto com acento e sem H), principalmente pelo que se propõe a reformar. Como atinge também outros países, mantenho a ideia de que é inócua assim mesmo.
Defendo a tese de que o Brasil – e todos o outros sete países envolvidos no Acordo – ganhariam muito mais – muito mais mesmo! -, gastando tempo e recursos investindo em Leitura! A leitura, essa sim, abre nossos horizontes, nos faz melhores, mais sensíveis, mais espertos, mais cidadãos, menos marionetes nas mãos das elites- nacionais ou de além-mar. E, quanto a escrever “corretamente” as palavras, não perca seu tempo, caro leitor, cara leitora, decorando as novas regras: leia! Ler é a coisa mais importante do mundo! E quem lê, pode acreditar, aprende qualquer grafia. Porque lê, porque vê as palavras escritas. Via de regra, não existe grafia difícil para quem lê. Na dúvida, na hora de escrever, troquemos a palavra por outra palavra. Ou abramos o "Aurélio". Ou o "Houiass", tanto faz. O novo, é claro!

*Reinaldo Fernandes é professor de Língua Portuguesa, especialista e Mestre em Linguística, autor da dissertação: “Lendo nas entrelinhas (FALE, UFMG, 2001)

Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Editorial
Os desafios do nosso prefeito

Nesta edição trazemos para o leitor informações e reflexões acerca dos desafios que o novo prefeito deverá enfrentar em seu mandato. (...) Agora, é hora do eleito colocar em prática os propostas que o elegeram. São vários os desafios.
Um dos desafios é cumprir a promessa de não demitir ninguém da prefeitura, compromisso assumido em campanha. O outro, é o de aumentar o salário dos servidores, assim como aumentar o valor do tíquete de alimentação. (...) Construção do Hospital com CTI 24 horas e maternidade, volta do carnaval de rua, criação de Policlínica 24 horas com UTI móvel na zona rural, construção do prédio da prefeitura, respeito ao Plano Diretor, Criação de cursos públicos profissionalizantes e manter uma boa relação com a imprensa local são outros desafios que Nenen da ASA terá em seu mandato à frente de uma prefeitura de mais de 100 milhões de reais de orçamento por ano. Mas os desafios não param aí: fim do IPTU, fim da taxa de esgoto, de 40% sobre o gasto com água, cobrada pelo COPASA.
A cobrança de 40% de taxa de esgoto foi um dos pontos centrais da campanha eleitoral de 2009. A população reclamava do prefeito Tunico da Bruma e dos vereadores que aprovaram a lei que instituiu a taxa. O candidato Nenen da ASA (...) assumiu o compromisso e o registrou no Cartório de Registro de Títulos e Documentos, sob o número 2685, do Livro C-4, Títulos e Documentos. A taxa foi um transtorno porque elevou em muito o valor da água paga pelos brumadinenses. Para as pessoas de baixa renda resultou em um rombo no orçamento.
Agora é torcer para que o prefeito Nenen da ASA consiga vencer todos esses desafios. Nós, da Equipe do jornal de fato, desejamos boa sorte a ele e à sua equipe. E que ele consiga realizar seu lema de campanha, “fazer de Brumadinho, o melhor lugar pra se viver!“
Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Prefeito consegue devolução do dinheiro e escapa de processo

Em sua edição de nº 61, o jornal de fato denunciou o “caso INBRAP”. Tratava-se de “Diplomas” distribuídos mediante o pagamento de uma “pequena quantia”. Um desses diplomas foi o recebido pela Prefeitura de Brumadinho, o certificado “Top of Mind Brasil de Consagração Pública Brasileira na categoria Prefeituras Municipais”. Segundo notícia publicada em jornais, “a Prefeitura de Brumadinho teve o reconhecimento de 98% da população”, 76% teriam considerado positivo o “atendimento” e a qualidade dos serviços teria atingido o patamar de 91%. O prefeito Tunico da Bruma (PMDB), que tinha repassado uma quantia para o INBRAP, assim que foi notificado pelo MP, conseguiu a devolução do dinheiro e escapou do processo.
Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Canto do Rio faz mutirão de limpeza

No dia 10 de janeiro nossa reportagem esteve no campo do Canto do Rio F. C.. No gramado, três máquinas da prefeitura municipal faziam a limpeza. Caminhões e mais caminhões de terra, misturada com areia, enchendo todo o gramado. Não se via um fio sequer de grama. Também não era para menos: a água chegara até o segundo andar do vestiário, onde fica a sala de troféus.Um grupo de pessoas, entre torcedores e jogadores, se reuniram para fazer um mutirão de limpeza.
Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96
Edição nº 96 – Jan/2009
Brumadinho F. C.: campeão da 48ª Itatiaia

O Brumadinho F. C. é o grande campeão da 48ª Copa Itatiaia, o maior torneio de futebol amador do Brasil. O time fez excelente campanha, invejável a qualquer outro. Comandado pelo técnico Marcelo Santos Neto, foi superior em todas as partidas, começando com um 7 X 0 no Ideal de Sabará, vencendo o Pedra Branca, de Neves, nos pênaltis, por 5 X 4, no final da Metropolitana e o Prointer por 4 X 1, com dois gols de Meio Quilo, um de Paulinho e outro de Janderson, diante de um belo público de 15 mil pessoas. As comemorações tomaram conta da cidade, com um churrascão na Praça da Bandeira, com muita cerveja gelada e fogos de artifícios.

Postado pelo Editor – Reinaldo Fernandes
Leia a íntegra na ed. 96

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

de fato
O jornal de Brumadinho
---------------------------------------------------------------------------
ABRA – SOCIEDADE ALTERNATIVA BRUMADINENSE DE IMPRENSA
R. Afrânio Castanheira Friche, 314 – Lourdes – 35460-000 – Brumadinho – MG

CNPJ 03.737.100/0001-93 - Inscrição Municipal 068 / 2003
e-mail: defatojornal@yahoo.com.br

www.jornaldefato.blogspot.com



Quando foi fundado?

O jornal de fato pertence à ABRA- Sociedade Alternativa Brumadinense de Imprensa –, entidade sem fins lucrativos, e teve sua primeira circulação em setembro de 1998, quando circulou a edição Nº 0. Contada a edição especial de janeiro de 1999 até fevereiro de 2009, são 98 edições, estando no seu 11º ano de circulação.

Por que foi criado?

O de fato foi criado porque o grupo responsável pelo jornal avaliou que seria interessante ter em nossa cidade um jornal que fosse progressista, plural, democrático, apartidário e que ajudasse, efetivamente, a população a ficar informada do que acontece na cidade. Informada do que fazem os políticos, do que fazem as associações, dos principais acontecimentos nacionais que não estivessem sendo veiculados pela grande imprensa, das pessoas boas que vivem na cidade etc.
Foi avaliado que seria importante a cidade ter um jornal: que as pessoas pudessem ler e tirar alguma coisa interessante para sua vida; que fosse um jornal que se preocupasse com a beleza espiritual das pessoas e não com a beleza física (por isso foi criada a seção “Perfil”, que entrevista – e não cobra nada por isso - sempre alguém que tenha algo a dizer, que possa ser exemplo, que possa ajudar o leitor a ser melhor. Nesta seção já foram publicados os perfis do Lútio do Super Luna, de Camilo Léllis – Casa de Acolhimento -, Sr. João Fonseca – Movimento dos Sem Casa -, Marieta – Centro de Líderes -, Paulo Viotti – artista plástico –; Hugo Andrade – vereador – Mara Karam - técnica de trânsito- Antônio Fernandes – um dos mais antigos brumadinense -, Antônio Xavier, ator e coordenador do GEMA, e inúmeros outros).
Avaliou-se que deveria ser um jornal que fizesse rir sem ser machista, sem ser preconceituoso, sem ser discriminador. Por isso o de fato tem a seção “Só Rindo”, que publica piadas e coisas engraçadas mas que nunca publicou piada que discrimine os negros, ou as mulheres, ou os homossexuais, ou os aidéticos, ou os judeus, ou os turcos, ou as loiras ou qualquer outra categoria.
Que fosse um jornal que gastasse suas páginas com coisas interessantes. Por isso não há seção policial com “boletim de ocorrência” etc mas há espaço para a Polícia Militar como pode ser visto na história do jornal.
Que fosse um jornal que se preocupasse com a defesa da cidade, com seus aspectos belos, sua cultura. Por isso o jornal dá grande importância aos artistas locais, já promoveu três concursos de poesias, o que nenhum outro jornal já fez na cidade. Já promoveu, também, três concursos de fotografias sobre a cidade. Há a seção cultural, geralmente na página 03-; fala-se de aspectos desconhecidos da cidade – seção “Conheça Brumadinho” e tenta-se resgatar nossos valores – como na coluna “Ainda existe...”).
Que fosse um jornal aberto a opiniões. Por isso foram publicados artigos do jornalista Valdir de Castro Oliveira, do engenheiro e professor Haroldo Vinagre Brasil, de Frei Betto, do historiador André Ricardo, de Pe. Jair, de Margarida Mello e muitos outros.
Que fosse um jornal que não se fizesse de surdo e de mudo. Por isso, o jornal publica documentos que dizem respeito à corrupção, dá notícias sobre processos na Justiça, publica dados sobre auditorias etc.
Por ser democrático e por querer ajudar a população, o jornal tem também as colunas como a “Cartas”, “Balcão de Negócios” – onde se pode publicar anúncios grátis sobre emprego, troca, compra e venda – Utilidade Pública.

O jornal alcançou seus objetivos?

O de fato está aberto a receber contribuições em notícias de diversas entidades e grupos como a Casa de Acolhimento Luz da Eternidade, o Lixo e Cidadania, os sindicatos, a AUTCOB,, a Vigilância Epidemiológica, a Prefeitura, a Câmara Municipal. Recebe artigos de opinião, poesias etc. Acreditamos que a cidade está mais aberta, menos preconceituosa, preocupada com questões importantes como o meio ambiente, está com vários conselhos funcionando, associações de moradores trabalhando, trabalhadores lutando por seus direitos, população mais bem informada. Tudo isso faz crer que o jornal está alcançando seus objetivos que é, repetimos, contribuir para que Brumadinho seja uma cidade melhor para todos.