Busque em todo o blog do Jornal de fato

Entre em contato conosco: defatojornal@gmail.com / 99209-9899

domingo, 22 de setembro de 2013

Edição 153 – Agosto/2013
Editorial:
de fato, ano 16

“Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.” A frase é atribuída ao escritor George Orwell. Já Toninho Horta e Fernando Brandt, na canção Durango kid, afirmam: “Este jornal é o meu revólver, este jornal é o meu sorriso.” São duas frases bastante interessantes.
Publicar o que interessa à população, embora possa, num momento ou noutro, não interessar a determinado setor social, é o que temos tentado fazer nesses anos todos em que o de fato circula em nosso Município. Vivemos em uma sociedade diversa, com ricos e pobres, oprimidos e opressores, brancos e negros, gente boa e gente ruim, preconceituosa, racista, oportunista e aproveitadora. Daí que é impossível agradar a todos. A denúncia de um ato corrupto agrada à população mas, por certo, não agrada ao corrupto e aos corruptores. Buscamos, entrando agora em nosso 16º ano de circulação, pensar sempre na maioria, trazer informações e matérias que acrescentem algo na vida do leitor. 
Quanto ao revólver, é claro que Horta e Brandt, dois poetas, querem se referir metaforicamente a uma arma, um instrumento de luta. E o de fato é também um instrumento de luta. O que queremos é mostrar quem é o nosso povo, suas qualidades, seu modo peculiar de viver. Queremos patrocinar a difusão das ideias de nossos cidadãos. Queremos divulgar suas reivindicações. Queremos contribuir para uma cidade melhor, em que as pessoas tenham mais informações, saibam de fatos importantes que acontecem aqui, sejam eles políticos, culturais, esportivos, coletivos ou particulares.
Este jornal é o nosso sorriso, o jornal da alegria, das piadas, do bom humor, jornal que acredita que podemos ter uma cidade melhor, mais democrática, sem corrupção, com respeito às leis que beneficiem a maioria da população.  

Reinaldo Fernandes
Editor
É assim que fazemos desde 1998! É assim que queremos entrar no nosso 16º ano de circulação, com 153 edições, com quase 800.000 (oitocentos mil) exemplares distribuídos de casa em casa, com mais de 6.000.000 (seis milhões) de páginas impressas! Graças a você, leitor, nosso objetivo, nosso inspirador, razão maior de nossa existência. Graças a vocês, anunciantes, fieis companheiros de tantos anos, alguns, de 16 anos! Vocês que confiam no nosso trabalho, na seriedade de nosso jornal e na sua importância para a cidade. A vocês, anunciantes e leitores, a única palavra que no cabe dizer ao entrar em nosso 16º ano: OBRIGADO! MUITO OBRIGADO!                
Edição 153 – Agosto/2013
Vereador promove encontro com população                                             

Vereador colocou faixas na cidade,
convidando população para o Encontro 













Fazer um “Mandato Coletivo, Transparente”, com “Participação Popular” e respeitando o “direito à informação” da população. Esse foi o principal motivo que levou o Vereador Reinaldo Fernandes, do PT, a realizar o que ele chamou de “1º Encontro do Mandato Coletivo do Vereador Reinaldo Fernandes”.
O evento aconteceu no último domingo, 1º de setembro, de manhã, na Câmara Municipal, com participação de moradores dos bairros São Bento, COHAB, Progresso, Quintas de Águas Claras, Santa Efigênia, Lourdes, Residencial Bela Vista, dentre outros.
“O Encontro é um espaço para que a população tenha informações sobre o que acontece na Câmara e na Prefeitura. É um espaço para entender um pouco melhor o que um vereador pode fazer e o que ele não pode fazer. É também um espaço para saber o que eu estou fazendo, como está meu trabalho na Câmara”, disse o vereador Reinaldo Fernandes.

Informações, avaliação e propostas

Durante o Encontro, os presentes ouviram do vereador e de seus dois assessores, Gibran Dias e Márcio Leal, relato das atividades de Reinaldo. O Gabinete do vereador falou sobre a criação do blog com notícias quase diariamente e com mais de 6.000 acessos, das audiências públicas requeridas pelo vereador, sozinho ou em parceria com outros colegas (do Programa Minha Casa, Minha Vida, Transporte; Segurança Pública, PPP do Sistema Rio Manso); dos Projetos de Lei em tramitação na Câmara; gastos do mandato. 
O vereador falou também de sua luta a respeito do IPTU e das emendas que fez ao projeto do Executivo e que permitiu anistia de dívida para quase 150 famílias a mais do que propunha o Governo Municipal. Falou das emendas que fez aos projetos, inclusive da Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO – dos projetos que apresentou na Casa, sobre o Concurso Público da Câmara e devolução do dinheiro do concurso anterior e da Guarda Municipal.
Outro assunto tratado pelo Vereador foi sobre sua luta pelo fim da Taxa de Esgoto, quando ele explicou que existe uma ação na Justiça em Brumadinho que pode ser votada a qualquer momento e ser derrubada novamente a cobrança da Taxa.
Vereador Reinaldo (PT) ouviu o que a população tinha a dizer
Fernandes falou, ainda, sobre as dezenas de pedidos feitos à Prefeitura em nome da população e de suas dificuldades também.  
O Encontro serviu também para avaliar o Mandato do vereador e para que os presentes pudessem solicitar ações de Reinaldo como a pavimentação do bairro São Bento II e a acesso aos serviços públicos pelos moradores do bairro Quintas de Águas Claras.

“Estavam presentes cerca de 15 pessoas, muito mais do que eu esperava. Foi bem produtivo; dissemos o que temos feito e o que pretendemos fazer pela cidade; ouvimos propostas, dúvidas, críticas e muitos elogios”, disse o assessor Gibran Dias.


“Uma imagem vale mais que mil palavras.” Abaixo, imagens que contam a História de Brumadinho nos 15 anos do jornal de fato
















Edição 153 – Agosto/2013
VI Concurso de Poesias “Paulo Viotti” do Jornal de fato – INSCRIÇÕES PRORROGADAS ATÉ 23 DE SETEMBRO!

Atendendo ao pedido de vários poetas, PRORROGAMOS as inscrições para o VI Concurso de Poesias "Paulo Viotti" do Jornal de fato PARA ATÉ O DIA 23 DE SETEMBRO. Você, que ainda não se inscreveu, pode se inscrever. Participe! Leia o Regulamento, prepare e envie seus poemas. O Regulamento completo está no nosso blog www.jornaldefato.blogspot.com e na nossa página do facebook: www.facebook.com/pages/Jornal-de-fato/162512557172657

 "O VI Concurso tem por objetivo contribuir no aquecimento, na divulgação e na ampliação das manifestações culturais de Brumadinho, dando oportunidade aos nossos leitores e artistas de mostrarem sua arte, e oferecendo aos cidadãos oportunidade de alimentar de emoção e beleza a alma e o espírito." Serão distribuídos R$ 700,00 em prêmios, publicação dos trabalhos e "Certificado de Participação". O tema é livre, as poesias deverão ser inéditas, poderão participar quaisquer pessoas, brumadinenses ou não, e cada concorrente poderá inscrever até 3 poemas. 
Edição 153 – Agosto/2013
Câmara fará Audiência Pública para discutir PPP do Sistema Rio Manso
A direção da Copasa já anunciou que vai adotar parceria público-privada (PPP) em algumas localidades. O sistema Rio Manso, em Brumadinho, seria o primeiro a utilizar PPP na ampliação do reservatório e construção de uma pequena central hidroelétrica (PCH). A empresa ficou de apresentar o projeto aos sindicatos em agosto, mas até o momento o SINDÁGUA-MG, sindicato dos trabalhadores da COPASA, não recebeu nada sobre o assunto e questiona quais são os interessados nessa modalidade de terceirização. A implementação de PPP já acarretou inúmeros prejuízos à população em outros Estados e também em outros países. Num levantamento feito pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC) a adoção do modelo, sobretudo na experiência internacional, trazem muitos exemplos de insucessos, como o aumento do preço da tarifa de água e esgoto para a população. O SINDÁGUA-MG defende que, “por ser uma empresa pública, a Copasa deve cumprir sua função social de promover a qualidade dos serviços prestados à população, evitando práticas ineficientes, que oneram os cofres públicos e só beneficiam a iniciativa privada”.
No caso do Sistema Rio Manso, localizado em Brumadinho, os custos para a COPASA, que eram de mais de 400 milhões, já passam de meio bilhão, ao mesmo temo em que o Sindicato defende que não há necessidade alguma em ampliação do sistema agora e nos próximos anos.
O SINDÁGUA-MG lembra que “é preciso ficar atento para que esta não seja mais uma tentativa de transferir o patrimônio público para as mãos de “parceiros” privados”.  

Câmara convoca Audiência Pública


Depois de se reunir com sindicalistas e assessores do SINDÁGUA-MG, a Câmara Municipal aprovou um Requerimento feito a pedido dos trabalhadores, convocando uma Audiência Pública. A Audiência acontece no dia 25 de setembro, ás 19hs30, na Câmara.     
Edição 153 – Agosto/2013
"Chá com Prosa" é puro show!
Casa de Cultura inicia projeto inovador que garante registro da História de Brumadinho
 
Seu Dico do Jota, Mardocheu e Zé Quintino:
juntos, quase 300 anos de história
Aconteceu na tarde do dia 27 de agosto e quem participou saiu maravilhado da Casa de Cultura. Idealizado por Geni Coelho Moraes, a Casa deu início ao Projeto “Chá Com Prosa”. E com boa prosa, diga-se de passagem.
Para inaugurar o Projeto foram convidados ilustres moradores da cidade, detentores de saberes históricos importantes sobre a vida de Brumadinho. Durante a tarde, os presentes puderam ouvir histórias diversas da boca de Osvaldo Maciel da Cunha, o Seu Dico do Jota; Mardocheu de Souza Parreiras; seu Zé Quintino; seu Severino José Coelho e dona Dagmar Rosa Silva, a dona Dica da Pensão Santa Rosa. Mas não faltaram também intervenções de outros ilustres como D. Maria Conceição Gonçalves Santana, a dona Maria Santana do Zé Barbeirinho; D. Maria de Lourdes Câmpora, a dona Lourdinha do Zé Branco; dona Elza Fonseca, esposa do Sr. Paulo Bernardes da Padaria; D. Efigênia Murta; Isabel Maria da Conceição, a dona Bilica; e Nery Braga. Como ouvintes participaram o Prefeito Tunico Brandão (PSDB) e sua esposa, Juraci Brandão; a Secretária de Turismo e Cultura, Marta da Maroto; o diretor do departamento de Cultura, Marcelo Jabah; o vereador Reinaldo Fernandes (PT), Wagner, responsável pela Casa de Cultura; a Secretária de Educação, Neide Lima; o músico, cantor e agitador cultural Leci Strada, dentre outros.

Histórias e mais histórias
 
Dona Dica: histórias de pensão e de carnaval


Sob a coordenação de Andreia Olinda Pinto Campos (Departamento de Cultura), os ilustres foram convidados a falar. Antes, porém, Andreia apresentou uma “linha do tempo” com datas importantes do Município (ver box)  
Seu Dico do Jota, 94 anos, falou sobre o início da cidade, afirmando que o outro lado do rio Paraopeba, onde hoje localiza-se o Canto do Rio, pertencia anteriormente à cidade de Outro Preto. Ele foi vereador da primeira legislatura da cidade, eleito com 134 votos, pelo PSD. Seu primeiro projeto de lei foi pedir 20 mil em dinheiro da época para construção da escadaria e laterais da Igreja Matriz, o que lhe rendeu uma carta de Pe. Elpídio Rosa de Freitas, o vigário da época, que o agradecia pelo grande feito. O terreno fora doado pelo seu sogro, João Fernandes do Carmo, o Jota, que era proprietário de toda a região do hoje bairro do Jota.

A política

O ex-prefeito Mardocheu de Souza Parreiras fora convidado para falar sobre Política, mas falou sobre Educação e muito mais também. Nascido em 20 de abril de 1937, Mardocheu falou de inúmeros eventos dos quais esteve à frente, como a criação do Instituto São Sebastião e, depois, da criação do Colégio São Sebastião e o curso de Contabilidade; da primeira turma e seus alunos brilhantes como Antônio Olavo e Alair Maciel; das brigas políticas entre as duas famílias mais tradicionais, a do Jota e da do Sr. Abelardo Passos; dom seu primeiro voto no prefeito Manoel Sampaio, em 1958, e de como foi difícil conseguir vender o 50ª linha telefônica pra que o serviço pudesse ter início em Brumadinho. Lembrou que Águas Claras foi o maior colégio eleitoral e como era feito o cadastramento de leitores, a maioria analfabetos, e como era o “voto de cabresto”, como se servia marmitas de comida para ganhar o voto do eleitor e de como o Dr. José Ernesto colocou o Gibiu na política de Brumadinho.

O comércio

Seu José Quintino, nascido em 25 de outubro de 1921, proprietário de uma pequena loja de aviamentos, está no comércio desde 1964, dia 2 de janeiro, no mesmo lugar, ali na Praça da Bandeira. Diariamente vai a pé para o trabalho, e mantém lucidez, simpatia e educação invejáveis. Contou que foi oficial de Justiça depois de trabalhar de garçom no bar do Jacaré (também até hoje ali na Praça), onde dormia depois de trabalhar até tarde e para levantar-se bem cedo.

Os trabalhadores da mineração
 
Seu Severino contou as histórias dos
trabalhadores da mineração e o fenômeno
dos sapos no açude do Bananal
Seu Severino José Coelho, no alto de seus quase 86 anos, autoditada, explicou que seu forte era História do Brasil, e não de Brumadinho. Afora a humildade, contou belas histórias dos trabalhadores das mineradoras de Brumadinho: SOCOMIL, JANGADA, e outras. Lembrou que os trabalhadores iam a pé, inclusive os que moravam no Brumado. E que tudo era feito na picareta, sem máquinas, sem tratores. Se  tinha caminhão, era enchido a “garfada”-  garfo de ferro -, desperdiçando o minério fino. Depois, uma báscula, mas que era movida com uma manivela. Contou de quando uma companhia adquiriu um caminhão do Canadá, que era um tipo de tanque usado na 2ª Guerra Mundial e que subia em qualquer lugar na mineração. E como uma das empresas, a MIPASA, construiu através dos braços de seus empregados, uma estrada ligando a mineração à linha de trem de ferro em Alberto Flores mas que proibia qualquer caminhão de passar por ela (não havia estradas), deixando um homem com um porrete caso alguém quisesse tentar. Severino lembrou que um de seus colegas era o agora prefeito Antônio Brandão, então caminhoneiro. Contou que, certa vez, Tejuco mudou de nome, e foi chamado de “Três Irmãos”. E terminou falando de algo que ele chamou de “fenômeno”: o dia em que, no ano de 1939, o açude onde fica hoje a Avenida do Bananal (Vigilato Braga) amanheceu cheio de sapos. Nesta hora, seu Severino olhou para o Editor do de fato, que anotava suas histórias, e disse que nem uma caneta, como aquela que o Editor estava usando, era possível enfiar entre os sapos, tantos que eram.

O carnaval

Dona Dagmar Rosa Silva, a dona Dica, da Pensão Santa Rosa, contou de como eram belos os carnavais, com suas marchinhas, e como seu pai organizava os blocos juntos com o popular Caco, vivo até hoje e morador do bairro São Conrado. Dona Dica veio para Brumadinho em 1941, e sua pensão foi a segunda na cidade (a primeira foi do Sr. Edmundo, de 1950, pai de Maria Santana, mãe do vereador Hideraldo Santana)   

Interação e valorização dos saberes dos idosos
 
Geni Coelho, idealizadora do "Chá"

“Foi além do que eu esperava”, disse entusiasmada à reportagem do de fato a idealizadora do “Chá com Prosa”, Geni Coelho Moraes. “Foi uma oportunidade de os participantes interagirem”, completou, lembrando que muitas vezes os idosos não são ouvidos na sociedade, tendo tanto para contar e contribuir. “O Chá com Prosa proporciona essa interação”, concluiu Coelho.
Todas as entrevistas foram gravadas, filmadas e, segundo foi informado aos presentes, serão transcritas.
Estão de parabéns a idealizadora do projeto, Geni Coelho, e a Administração Municipal pelo belo trabalho. Agora é torcer que se dê continuidade ao Projeto. Afinal, ainda há inúmeras histórias para serem contadas.

“Linha do tempo”

1928 – Início da construção da ponte sobre o rio Paraopeba
1929- Fundação da Banda de Música São Sebastião
1938 – Emancipação de Brumadinho a Município
1940- Criação da Paróquia de São Sebastião, desmembrando-se de Bonfim
1955- Criação da Comarca de Brumadinho
1960- Criação do alto-forno da SIBRUSA (Siderúrgica Brumadinho S. A.)
Chegada da CEMIG
Abastecimento de água vindo da Serra
Criação da Companhia telefônica de Brumadinho
1966- Criação do Colégio Estadual (hoje, Paulina Aluotto Ferreira)
Criação do Hospital João Fernandes do Carmo
1970- Criação da Praça da Rodoviária
Criação do Fórum novo
Inauguração da Escola Estadual Paulina Aluotto Ferreira
Aquisição de um prédio para a prefeitura pelo então prefeito Mardocheu de Souza Parreiras
1980- Construção da Praça de Esportes (Quadra)
Asfaltamento da MG 040 de Sarzedo a Brumadinho
Construção da Barragem da COPASA (Sistema Rio Manso)
Chegada da COPASA
Construção da cadeia
1990- Municipalização do Hospital João Fernandes do Carmo
Entrada de Brumadinho na Região Metropolitana de Belo Horizonte



Edição 153 – Agosto/2013
Mais de meio bilhão. Para onde vai o dinheiro do povo?
Em análise feita dos orçamentos e dos balanços financeiros da Prefeitura nos últimos 54 meses, Brumadinho recebeu mais de 580 milhões de reais

Por Gibran Dias

Uma cidade que prospera. É dessa forma que podemos definir a nossa Brumadinho. Sétimo lugar no ranking mineiro de renda per capita, uma das cidades que mais produzem minério de ferro em todo o território brasileiro, mantendo ainda quilômetros quadrados de áreas verdes preservadas, nascentes, rios e cachoeiras. Ficamos assustados com os inúmeros condomínios horizontais que a cada dia surgem nos distritos, mais ainda com a quantidade de automóveis que circula pelas vias desta cidade. Temos hospital, unidades de saúde, escolas, creches, pavimentação em quase toda a Sede Urbana, comércio aquecido e o museu Inhotim, que atrai centenas de milhares de turistas todos os anos. Brumadinho ainda promove festivais, shows e festividades religiosas. Apesar de tudo isso, de tamanha infraestrutura, faltam mais acessos à cidade, pavimentação na zona rural, abastecimento de água, tratamento de esgoto, valorização dos profissionais da educação, preservação da imagem urbana, mobilidade urbana; sem contar as obras inacabadas de centros esportivos, campos de futebol, unidades de saúde. Mas dinheiro é o que não falta. Nos últimos 54 meses, os cofres públicos ficaram recheados, de dar inveja em qualquer cidade de médio porte. Mais de 500 (quinhentos) milhões de reais foram arrecadados pelo Município de 2009 a 2012 e quase 90 (noventa) milhões nos seis primeiros meses deste ano. A parte mais interessante da receita vem da compensação financeira por exploração mineral – CFEM – devida às mineradoras atuantes em Brumadinho, que corresponde a quase 40% (quarenta por cento) do total da arrecadação anual, sendo que o restante está dividido entre repasses do governo federal e impostos arrecadados. O dinheiro proveniente desta compensação não pode ser usado para pagamento de dívidas ou mesmo na folha de pagamento do poder público, mas sim em projetos de infraestrutura e sociais. Para 2013, o orçamento anual prevê uma receita de 150 (cento e cinquenta) milhões de reais e, deste valor, a CFEM corresponderá à quase 60 (sessenta) milhões de reais, de acordo com previsões baseadas nos últimos anos.

Do povo para o governo

O custeio da máquina pública, em folha salarial, é de aproximadamente 35% (trinta e cinco por cento), sendo que o total (custos operacionais, custos fixos, material de consumo, contratação temporária entre outros) pode chegar até 54% (cinquenta e quatro por cento) da previsão orçamentária, ou seja, para este ano, quase 80 (oitenta) milhões de reais podem ser gastos pelo governo, para o governo. O “resto” deste dinheiro, aproximadamente setenta milhões, deve ser investido em serviços públicos de qualidade, infraestrutura, programas e projetos sociais. Será que essa verba realmente “volta” para a população? O mais curioso é ver a Prefeitura fazer empréstimos para aterro sanitário, máquinas e obras, como será feito provavelmente para este ano também, já que uma lei que autoriza empréstimo de até 6,5 milhões de reais foi aprovada recentemente na Câmara Municipal. Mas, em quanto está a folha salarial da máquina pública? Em aproximadamente sessenta e nove milhões de reais!

Cidade bilionária

Nos anos seguintes, se aprovada a Lei do Plano Plurianual, de 2014 a 2017, os custos serão ainda maiores, já que a arrecadação tende a aumentar mais e mais. Para o próximo ano, a previsão de receita orçamentária é de 165 (cento e sessenta e cinco) milhões de reais; em 2015 é de 180 (cento e oitenta) milhões; em 2016 ultrapassa os duzentos milhões de reais e, finalmente, em 2017 teremos o recorde de 220 (duzentos e vinte) milhões de reais! Incrível, não é mesmo? Podemos calcular, com base nos dados apresentados pela Prefeitura e pelo Tribunal de Contas, que em 2023, daqui a dez anos, o orçamento chegará a aproximadamente 390 (trezentos e noventa) milhões de reais. O governo do ex-prefeito Neném da Asa teve arrecadado cerca de 500 (quinhentos) milhões de reais em quatro anos, o atual prefeito, Antônio Brandão, terá disponível cerca de 700 (setecentos) milhões de reais até dezembro de 2016; o próximo governo, de 2017 a 2020, terá aproximadamente um bilhão de reais para utilizar; de 2021 a 2024 – dentro de sete a onze anos – o prefeito “sortudo” terá nos cofres públicos quase um bilhão e meio de reais! Sim, Brumadinho será bilionária em menos de dez anos. Mas, para onde irá esse dinheiro? É por isso que precisamos ficar de olho aberto nas contas públicas, exigir transparência e principalmente competência dos gestores municipais, para que esses milhões possam ser bem utilizados e sem corrupção.

Fique de olho no seu dinheiro


Estas informações podem ser encontradas no site da Prefeitura de Brumadinho, no site Portal da Transparência do Governo Federal, no site do Tribunal de Contas da União e no site Portal da Transparência de Minas Gerais. Foram utilizados também o Orçamento de Brumadinho para 2013, o Plano Plurianual de Brumadinho 2014-2017 e estimativas calculadas nos balanços do site mgcidades.com.br. Todos os dados aqui apresentados, bem como as estimativas, foram acessados e analisados do dia 15 de maio ao dia 12 de agosto do corrente ano. Vale ressaltar que as previsões de receita têm sido superadas na prática, ou seja, os cofres públicos arrecadam mais do que o previsto. 
Edição 153 – Agosto/2013
Opinião
Indignação & Inanição da Cidadania em Brumadinho

Armindo dos Santos de Sousa Teodósio (Téo)*


Nos últimos meses, uma onda de manifestações varreu o Brasil, assim como vem acontecendo em outras partes do mundo. Em comum, dentre outras coisas, esses movimentos têm a indignação contra uma série de problemas que afetam a vida em sociedade e o exercício da política.
A presença do povo nas ruas, manifestando suas vontades, é um dos elementos, apesar de não o único, de democracias maduras e vigorosas. A pergunta que fica é como canalizar essa indignação, que lembra a famosa “ira santa” de que falava o saudoso Miguel Arraes, para ações que consigam efetivamente melhorar nossa vida em sociedade. O desafio é justamente colocar em ação essa indignação, para que ela não se transforme em inanição da cidadania.  
Um dos caminhos necessários e promissores para transformar nossas cidades, para transformar nossa querida Brumadinho em um lugar melhor para se viver, é se envolver com uma série de lutas que não são recentes, como a própria luta pelo passe livre, mas são essenciais para conquistarmos uma cidade mais justa, democrática e sustentável.
Essas lutas envolvem a ampliação dos espaços de participação popular na discussão sobre caminhos para o desenvolvimento de Brumadinho; o apoio a pequenos empreendimentos inovadores em termos sociais e ambientais, através de crédito justo, capazes de gerar trabalho, renda e condições de trabalho dignas, mitigando a pobreza e reduzindo as diferenças de renda dentro do município ao mesmo tempo em que reduzem nossa dependência das mineradoras e do Museu Inhotim; a promoção de políticas públicas que contribuam para o transporte coletivo em detrimento do individual; o envolvimento efetivo e democrático da comunidade na gestão educacional, fazendo da educação uma de nossas prioridades; a consolidação da atenção básica à saúde e o avanço do programa de saúde da família; o aprimoramento do tratamento adequado da água, capaz de efetivamente mitigar os problemas com as enchentes e com escassez e carestia para os pobres; a ampliação do saneamento, alcançando principalmente as comunidades periféricas; a promoção de formas compartilhadas de acesso e gerenciamento da habitação popular, consolidando a ideia de direito à moradia; a valorização da expressão cultural das populações tradicionais de nossa cidade, oferecendo outras opções culturais autênticas para além do Museu Inhotim e do circuito turístico em torno de Casa Branca; a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, sem que nenhuma concessão seja feita para dinâmicas empresariais ávidas por excluir os recicladores da riqueza gerada pelo lixo; a ampliação da cultura de transparência, prestação de contas e controle social em relação aos poderes executivo, legislativo e também judiciário em Brumadinho.
Como se pode perceber, vários caminhos podem servir para que a indignação não se transforme em inanição. Falta de opções não há, assim como muitas outras lutas também podem se somar a essas. Para tanto, é preciso que floresça em Brumadinho não apenas o belo e contagiante espírito de indignação contra as mazelas da política, mas também uma multiplicidade de ações da sociedade civil. Só assim, movidos por uma indignação que resulta em obras, ações, maiores e melhores debates realizados em ambiente efetivamente democrático, poderemos conquistar, ao contrário de ganhar dos governantes de plantão, melhores formas de se bem viver em nossa estimada Brumadinho. Caso isso não aconteça, talvez a música do Skank ainda continue a nos diz o que somos como povo, uma “indigna nação, indigna...”. Eu aponto no contrário, eu aposto na “ira santa” daqueles que verdadeiramente têm compromisso com Brumadinho. E você, querido leitor, qual será a sua aposta?


* Armindo dos Santos de Sousa Teodósio (Téo) é Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da PUC Minas
Edição 153 – Agosto/2013
Só Rindo
Nesta Edição de 15 anos de circulação, o de fato resolveu caprichar! Para comemorar, Nada melhor do que uma boa receita de frango! Frango com cerveja! Pura delícia! Prepare os talheres!

Frango com Cerveja

Ingredientes:
24 garrafas de cerveja da boa;
01 frango de aproximadamente 2 quilos;
Sal, pimenta e cheiro verde a gosto;
350 ml de azeite de oliva extra virgem;
Nozes e amendoim.

Modo de preparar:

Pegue o frango. Beba uma garrafa de cerveja. 
Envolver o frango e temperá-lo com sal, pimenta e cheiro verde a gosto.
Massageá-lo com azeite. 
Pré-aquecer o forno por aproximadamente 10 minutos. 
Sirva-se de uma garrafa bem gelada enquanto aguarda. Use as nozes e o amendoim como 'tira gosto'. 
Colocar o frango em uma assadeira grande. 
Sirva-se de mais duas geladinhas enquanto prepara. 
Envolver o frango em celofane ou papel alumínio. 
Axustar o terbostato na marca 3, e debois de uns vinch binutos, botar para assassinar.. - digu: assar a ave. 
Virar mais uma cerveja (não no frango, no gogó...). Debois de beia hora, berificar a temperatura e gontrolar a
assadura do frango. 
Tentar zentar na gadeira, servir-se de uoooooooootra gafarra de cerbeja.
Cozer(?), costurar(?), cozinhar, sei lá, voda-se o vrango. Deixáááá o filho da buta do pato no vorno por umas
4 horas. 
Tentar retirar o peru do vorno. Num vai gueimar a mão, garaio! 
Mandar mais uma boa dose de cerva pra dentro... de você, é claro. 
Tentar novamente tirar o sacana do chest do vorno, porque na primeira teenndadiiiva dããão deeeeuuuuuu. 
Begar o vrango que gaiu no jão e enjugar o filho da buta com o bano de jão e cologá-lo numa pandeja ou qualquer outra borra, bois avinal você nem gosssssssssta muito dessa merda mesmo. 
- Tá Bronto.

Gordinha mal agradecida
A gordinha estava em um banheiro de uma danceteria, pintando-se no espelho, quando de repente chega uma linda ruiva de olhos azuis. Ela tinha uma delicada cintura e usava uma calça justíssima de couro.
Enquanto a gorda observava essa escultural criação divina, a ruiva se olha  no espelho e diz:
- Obrigada Herbalife.
A gordinha, ficou paralisada com o lápis labial na boca, enquanto vê sair a ruiva. Continuou o que fazia, quando de repente entra uma maravilhosa loira duas vezes melhor que a ruiva, corpo escultural, cintura mínima, se olha no espelho e diz:
- Obrigada Coscarque.
A gordinha ficou paralisada com o tubo de rímel na mão enquanto vê sair a tremenda loira. Continua sua maquiagem quando entra uma linda morena três vezes melhor que a loira, corpo escultural, pele suave, cintura ultra fina, lindas pernas, uma Deusa! A garota se olha no espelho, observa o "corpão" e diz:
- Obrigada Diet Shake.
A gordinha termina de se pintar, se prepara para sair se olha no espelho e diz:
- Vai se fudê, Mc Donald's!


Edição 153 – Agosto/2013
Conselho e Prefeitura realizam 3ª Conferência de Cultura


Aconteceu no dia 10 de agosto a 3ª Conferência Municipal de Cultura de Brumadinho. O evento mobilizou membros da sociedade civil, governo e entidades ligadas à área. O tema abordado este ano foi “Os Desafios do Sistema Municipal de Cultura”. Durante a conferência houve apresentações culturais de artistas locais e palestras, por conta de Maria Aparecida Reis, representante do Ministério da Cultura em Minas Gerais e o ator, diretor e produtor cultural Antônio Grassi, atual Diretor Adjunto do Instituto Inhotim.
A Conferência foi recheada de intervenções artísticas: Leci Strada cantando “Brumeiro” – música de sua autoria que fala sobre localidades de Brumadinho – enquanto Rosinha dançava ballet; Gleison Queiroz e André Gomes em música clássica; Toninho, Milton Roque, Paulinho do GEMA em mais de uma intervenção teatral; Tiago, Thaís Michele, e outros em outra intervenção teatral; o grupo Batucabrum de Leci Giovani-, o desenho de Agnaldo.    

Discussões em grupo e eleição dos delegados

A tarde foi de discussões nos grupos que levantaram dezenas de propostas que foram levadas ao voto na Plenária Final. No fim da Conferência foram eleitos 6 delegados para a etapa Estadual. Um terço dos delegados deveria ser de representantes do Poder Público, e a Conferência inovou ao submeter, também esta eleição, ao conjunto dos delegados. Foram eleitos Merenice Mazzeti e Marilda Souza, ambas da Secretaria de Cultura.
Da Sociedade Civil, os delegados eleitos foram Aldo Silva, Leci Geovani e Gustavo Morais. Houve um empate entre Luiz Giovani de Almeida e Antonio Paulorinho. Depois que Antônio Paulorinho alterou sua voz, ameaçou deixar a conferência, recusou-se a disputar a vaga em nova votação com o outro candidato dizendo que tinha mais direito por ter mais idade e depois de ter acusado a Comissão Organizadora de manipulação, a maioria dos delegados que ainda resistia – eram mais de dezenove horas – achou melhor dar a vaga ao exaltado senhor que tanto queria ir à Conferência Estadual e recusava-se a submeter-se à escolha dos delegados.

Propostas aprovadas

O trabalho nos grupos foi bastante produtivo. Na Plenária Final, coordenada por Reinaldo Fernandes, vereador, membro do Conselho de Cultura e da Comissão organizadora da Conferência, foram aprovadas dezenas de propostas para serem executadas pelo Departamento de Cultura da Prefeitura. Entre as propostas, as seguintes:

- Criar a Lei Municipal de Incentivo a Cultura.
- Integração das secretarias municipais para que as questões culturais locais sejam tratadas de forma mais transversal nos departamento de Cultura e eventos, bem como a vinculação na Secretaria de Turismo e Cultura do Departamento de Eventos. 
- Garantir a aplicação da discussão sobre cultura local na grade curricular conforme prescrito nos parâmetros curriculares nacionais.
- Fazer um inventário de todas as manifestações culturais do município para promover um intercâmbio dessas culturas, promovendo ações mais intensas e diversificadas que atendam todas as idades.
- Fomentar a legalização de grupos culturais.
- Trabalhar no sentido de que a relação Inhotim e Brumadinho seja de parceria mais real com todos os movimentos culturais, evitando uma relação utilitária dos movimentos por parte do Instituto.
- Adequar o teatro municipal com estrutura de acessibilidade e ceder este espaço para grupos independentes para ensaios e apresentações e ainda movimentar este local com aulas de violão, pintura, teatro e outros, com valorização financeira para monitores capacitados e professores.
- Elaborar o Plano Municipal de Cultura, como Plano de Estado, fazendo cumprir este Planejamento Estratégico para a cultura com metas previstas ao longo do tempo.
- Criação de uma comissão para adequar e estruturar a lei 1219/2001, que cria o Conselho Municipal de Cultura, garantindo a participação popular nessa discussão, revendo, dentre outras questões, as representações dos conselheiros e a democratização na forma de eleição e ainda que as reuniões sejam realizadas à noite para proporcionar a participação das pessoas que não podem participar durante o dia.
- Criação de Conservatório Municipal de música.
- Criar um workshop de fotografias em cada localidade com a finalidade de identificar o olhar de cada um sobre a sua cultura e outros aspectos, resgatando a história de cada povo, divulgando as localidades e seu povo.
- Garantir o acesso das pessoas a eventos e espaços culturais, com transporte público, boas estradas, sinalizações adequadas em todo município, garantindo participação efetiva de todas as comunidades.
- Participação efetiva do conselho Municipal de Cultura nas ações da Cultura.
- Tornar a Casa da Cultura um espaço dos artistas locais, fazendo exposições de seus trabalhos.
- Organizar o carnaval, inscrevendo escolas de samba e blocos caricatos com a liberdade de escolherem seus próprios temas, com classificação eliminatória. Manter o carnaval nas localidades rurais pelo menos em um dia.
- Contratação de bandas, com previsão do repertório musical, respeitando a cultura local e promovendo diversidade com responsabilidade social.
- Criar espaços e programas que façam gestão de oficinas de vídeo, dança, artesanato, música, literatura entre outras para fomentar uma formação cultural.
- Criar o centro de Memória de Brumadinho em um local com arquivo público, preservação do patrimônio histórico e cultural, histórias da comunidade contadas pelos brumadinhenses através de tecnologias audiovisuais e veiculação dessas informações culturais. Usar os meios de comunicação das redes sociais para incentivar as produções culturais e a história local.
- Criar projeto de Grafitagem com objetivo de colorir a cidade e evitar pichação.
- Implementar políticas públicas de preservação do patrimônio material e imaterial, catalogando este patrimônio e propondo tombamento e restauração desses bens.
- Criar, em todo município, espaços de cultura, com amplo acesso, tais como bibliotecas, teatros, cinema, auditórios, centros culturais que ofereçam acesso a diversas linguagens artísticas (teatro, dança, circo, música, cinema, literatura, artes plásticas) e manifestações culturais tradicionais.
- Oferecer em todos os eventos realizados, espaços de acesso para os idosos e portadores de necessidades especiais, buscando a participação de todos.
- Apoiar os grupos culturais do município, com respeito a diversidade local, fomentando sua permanência ao longo do tempo.
- Proporcionar a participação de associações e moradores na formulação e realização dos eventos, bem como da elaboração anual do calendário.
- Dotar secretaria municipal de cultura de pessoal técnico especializado.
- Lançar projetos através de Editais do Fundo Municipal de Cultura, que atendam a realidade da população de brumadinho.

- Capacitação de pessoal para qualificação em projetos de Editais Municipais, Estaduais e Nacionais em busca de financiamento, criando políticas de valorização da região.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Edição 153 – Agosto/2013
Nivers
Thayane, que comemorou no dia 6
As comemorações de setembro se iniciam com festa para Thayane (Secretaria de Administração) Silva, que sopra velinhas no dia 6. No dia seguinte, 6, é a vez também do vereador Hideraldo Santana.
David Raimundo de Paula, o David, Centro, comemora no domingo, 8.
Hideraldo comemorou no dia 7, com
um almoço entre amigos
No próximo dia 22 é niver de Maria da Conceição, a São (filha da D. Efigênia, bairro Santa Efigênia). No dia 23 é a vez de Marina de Oliveira (bairro de Lourdes). O Sr. Nenen (Carmo) comemora no dia 24. Setembro fecha com os nivers de Valter Fernandes (Lourdes) e Fernando Moreira (São Sebastião).
Lilian Paraguai inaugura as comemorações de outubro no dia 1º.

Muita Paz. 
Fernando Moreira vai comemorar no dia 30

Muita Luz, Tranquilidade e sonhos realizados para todas e todos!