Busque em todo o blog do Jornal de fato

Entre em contato conosco: defatojornal@gmail.com / 99209-9899

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Edição 179 – Outubro 2015
Câmara gasta demais
Mas tem Vereador economizando

A Câmara de Vereadores de Brumadinho recebe em torno de 6% (seis por cento) do Orçamento Geral do Município. Para o ano de 2015, a previsão foi de R$ 10.000.000, reduzida depois para R$ 9 milhões. Para o ano de 2016, mesmo com a alegada “crise”, estão previstos R$ 10.000.000,00 para a Câmara, 5,54% do total ( R$ 180.657.000,00). É muito dinheiro para a quantidade de serviços prestados à população.
No entanto, o dinheiro pode ser economizado e devolvido à Prefeitura para aplicá-lo em serviços aos brumadinenses. Exemplo de economicidade é dado pelo Vereador Reinaldo Fernandes (PT).
O vereador tem atuado na Câmara praticando o princípio de economicidade e do cuidado com o dinheiro público. Segundo cálculos do Vereador e de sua Assessoria, o vereador já devolveu aos cofres públicos ou deixou de receber mais de R$ 72.000,00 (setenta e dois mil reais), valor que deve chegar próximo de R$ 146.000,00 (cento e quarenta e seis mil reais) ao final do mandato.
Parte desse dinheiro diz respeito à “verba de gabinete”, de R$ 450,34 ao mês, que vai totalizar em torno de R$ 22.000,00 ao final do mandato. Outra parte diz respeito à economia com assessores parlamentar, em torno de R$ 78.000,00. 
O Vereador recusou-se também a receber ingressos gratuitos para o Rodeio de 2013, em torno de R$ 200,00 e devolveu um frigobar enviado a cada gabinete, no valor de R$ 769,00.
Além disso, o Vereador recusa-se a receber benefícios de terceiros. O Vereador deixa de receber 10 ingressos gratuitos para o Inhotim, que são enviados mensalmente, em torno de R$ 400,00, R$ 17 mil ao final do mandato.

Economia com veículos e motoristas

Outra forma de economizar o dinheiro público praticada pelo vereador Reinaldo Fernandes (PT) é com veículos e motoristas. O petista não usa veículo da Câmara que é disponibilizado para cada vereador de forma particular, conforme escala. Considerando o uso uma vez por semana, 200 quilômetros em média, seriam 136 semanas até agora, um valor de aproximadamente R$ 10.000,00 em gasolina, R$ 14.200,00 até o final do mandato. Considerando ainda o salário do motorista, seriam mais aproximadamente R$ 14.000, num total de quase R$ 30.000,00.  

"Procuramos fazer um mandato com transparência e economicidade. Todos os atos são publicados, todas as contas prestadas. O trato com o dinheiro público deve ser feito com zelo, pois quem paga tudo isso aqui (referindo-se à salários e custos do gabinete) é o contribuinte", diz o petista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário