Busque em todo o blog do Jornal de fato

Entre em contato conosco: defatojornal@gmail.com / 99209-9899

domingo, 7 de maio de 2017

Edição 196 – Março 2017
Editorial

A Reforma da Previdência não passa!

Os recuos do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB/PSDB) no que diz respeito à Reforma da Previdência têm muito a nos ensinar. O Governo, que já tinha aprovado a PEC da Morte, a Reforma do Ensino Médio, visto o relator da Lava Jato, Teori Zavascki, “morrer” e ter eleito seus aliados para as presidências do Senado e Câmara, achava que ia ser fácil. Já tinha até marcado data: 28 de março. Não deu!
Mas não foi porque o Governo mudou de ideia: não, sua ideia é destruir todos os direitos conquistados pela luta dos trabalhadores desde 1943, com a CLT, e os direitos advindos dos governos de Lula e Dilma.
O que fez o governo recuar foi a luta. A luta de milhões de brasileiros: nas ruas, nas escolas, nos locais de trabalho, nas redes sociais. Foi a Greve Nacional da Educação, foram as manifestações gigantescas dos dias 8, 15 e 31 de março. Milhares e milhares de pessoas nas ruas deste país, dizendo não às reformas de Temer e do Congresso mais reacionário das últimas décadas. Aqui, destaque para o Sind-UTE de Brumadinho: enquanto o Sindicato dos Servidores, curiosamente se cala diante dos ataques aos servidores públicos municipais, profissionais de outras escolas estaduais vergonhosamente se acovardam, as professoras da Paulina Aluotto vão à luta, acompanhadas de perto da juventude do grêmio.
É verdade que a Câmara aprovou a terceirização, mas essa luta também ainda não terminou. A Reforma da Previdência patina, o Governo não tem os votos, a população pressiona os deputados que querem reeleição em 2018. A hora é de intensificar a pressão: apoiar os trabalhadores em greve; participar das manifestações e da Greve Geral de 28 de abril; sair com um adesivo no peito, contra a Reforma; conversar com os amigos, os vizinhos e parentes, com os alunos também; visitar o gabinete do deputado em Belo Horizonte; enviar uma mensagem pelo e-mail, direto do PC ou do celular.
A única coisa que não podemos é não fazer nada. Ou convencemos os deputados a reprovarem essa reforma em seu conjunto ou teremos, nós e nossos filhos, netos etc, que trabalhar 49 anos sem deixar de contribuir um dia sequer e se aposentar a partir de 66 anos, dentre outros prejuízos. Como isso não é possível no Brasil, é o fim das aposentadorias no País.
Todos à luta! Todos à greve geral de 28 de abril!



Edição 196 – Março 2017
Editorial

A Reforma da Previdência não passa!

Os recuos do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB/PSDB) no que diz respeito à Reforma da Previdência têm muito a nos ensinar. O Governo, que já tinha aprovado a PEC da Morte, a Reforma do Ensino Médio, visto o relator da Lava Jato, Teori Zavascki, “morrer” e ter eleito seus aliados para as presidências do Senado e Câmara, achava que ia ser fácil. Já tinha até marcado data: 28 de março. Não deu!
Mas não foi porque o Governo mudou de ideia: não, sua ideia é destruir todos os direitos conquistados pela luta dos trabalhadores desde 1943, com a CLT, e os direitos advindos dos governos de Lula e Dilma.
Reinaldo Fernandes
Editor
O que fez o governo recuar foi a luta. A luta de milhões de brasileiros: nas ruas, nas escolas, nos locais de trabalho, nas redes sociais. Foi a Greve Nacional da Educação, foram as manifestações gigantescas dos dias 8, 15 e 31 de março. Milhares e milhares de pessoas nas ruas deste país, dizendo não às reformas de Temer e do Congresso mais reacionário das últimas décadas. Aqui, destaque para o Sind-UTE de Brumadinho: enquanto o Sindicato dos Servidores, curiosamente se cala diante dos ataques aos servidores públicos municipais, profissionais de outras escolas estaduais vergonhosamente se acovardam, as professoras da Paulina Aluotto vão à luta, acompanhadas de perto da juventude do grêmio.
É verdade que a Câmara aprovou a terceirização, mas essa luta também ainda não terminou. A Reforma da Previdência patina, o Governo não tem os votos, a população pressiona os deputados que querem reeleição em 2018. A hora é de intensificar a pressão: apoiar os trabalhadores em greve; participar das manifestações e da Greve Geral de 28 de abril; sair com um adesivo no peito, contra a Reforma; conversar com os amigos, os vizinhos e parentes, com os alunos também; visitar o gabinete do deputado em Belo Horizonte; enviar uma mensagem pelo e-mail, direto do PC ou do celular.
A única coisa que não podemos é não fazer nada. Ou convencemos os deputados a reprovarem essa reforma em seu conjunto ou teremos, nós e nossos filhos, netos etc, que trabalhar 49 anos sem deixar de contribuir um dia sequer e se aposentar a partir de 66 anos, dentre outros prejuízos. Como isso não é possível no Brasil, é o fim das aposentadorias no País.
Todos à luta! Todos à greve geral de 28 de abril!



Edição 196 – Março 2017
Como ajudar a impedir a aprovação da Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência e a Trabalhista são prejudiciais para toda a população brasileira, a não ser para os patrões e empresários. Mesmo quem já aposentou ou está quase aposentando, tem filhos, pais e mães, parentes, vizinhos que serão prejudicados. Portanto ninguém pode cruzar os braços e fingir que nada está acontecendo.
Para quem acha que não pode fazer greve, há muitas outras formas de lutar contra a reforma que acabará com as aposentadorias no Brasil. E a Reforma Trabalhista, que destruirá os direitos conquistados desde 1943.
Apoiar os trabalhadores em greve é uma forma. Participar das manifestações e da Greve Geral de 28 de abril é outra forma importantíssima. Sair com um adesivo no peito, contra a Reforma, conversar com os amigos, os vizinhos e parentes, com os alunos também.

Outra forma de luta é pressionar os deputados federais, começando por aquele em que se votou em 2014 e foi eleito. Depois, pressionando os deputados federais mais votados em Brumadinho em 2014. Os deputados federais mais votados em Brumadinho em 2014 são eles:


Você, leitor, pode visitar o gabinete do deputado em Belo Horizonte. Ou pode ligar para o gabinete do deputado em Brasília. Ou pode mandar uma mensagem pelo e-mail, direto do seu PC ou de celular. Ou convencemos os deputados a reprovarem essa reforma em seu conjunto ou teremos, nós e nossos filhos, netos etc, que trabalhar 49 anos sem deixar de contribuir um dia sequer e se aposentar a partir de 66 anos, dentre outros prejuízos. Como isso não é possível no Brasil, é o fim das aposentadorias no País.
Abaixo, o jornal de fato publica o nome e e-mail de todos os deputados e uma sugestão de texto para o leitor enviar:   


TONINHO PINHEIRO - dep.toninhopinheiro@camara.leg.br
CAIO NARCIO - dep.caionarcio@camara.leg.br
LAUDIVIO CARVALHO - dep.laudiviocarvalho@camara.leg.br
MARCELO ÁLVARO ANTÔNIO - dep.marceloalvaroantonio@camara.leg.br
PATRUS ANANIAS - dep.patrusananias@camara.leg.br
EROS BIONDINI - dep.erosbiondini@camara.leg.br
TENENTE LÚCIO - dep.tenentelucio@camara.leg.br
MARCELO ARO - dep.marceloaro@camara.leg.br
LINCOLN PORTELA - dep.lincolnportela@camara.leg.br
STEFANO AGUIAR - dep.stefanoaguiar@camara.leg.br
GEORGE HILTON - dep.georgehilton@camara.leg.br
WELITON PRADO - dep.welitonprado@camara.leg.br
GABRIEL GUIMARÃES - dep.gabrielguimaraes@camara.leg.br
FRANKLIN LIMA – dep.franklinlima@camara.leg.br
EDUARDO BARBOSA - dep.eduardobarbosa@camara.leg.br
DOMINGOS SÁVIO - dep.domingossavio@camara.leg.br
SUBTENENTE GONZAGA - dep.subtenentegonzaga@camara.leg.br
LEONARDO MONTEIRO - dep.leonardomonteiro@camara.leg.br
RODRIGO DE CASTRO - dep.rodrigodecastro@camara.leg.br
DIEGO ANDRADE - dep.diegoandrade@camara.leg.br
MAURO LOPES - dep.maurolopes@camara.leg.br
DELEGADO EDSON MOREIRA - dep.delegadoedsonmoreira@camara.leg.br
SARAIVA FELIPE - dep.saraivafelipe@camara.leg.br
MARCUS PESTANA - dep.marcuspestana@camara.leg.br
LUIZ FERNANDO FARIA - dep.luizfernandofaria@camara.leg.br
LUIS TIBÉ - dep.luistibe@camara.leg.br
RODRIGO PACHECO - dep.rodrigopacheco@camara.leg.br
 ADELMO CARNEIRO LEÃO - dep.adelmocarneiroleao@camara.leg.br
ADEMIR CAMILO -dep.ademircamilo@camara.leg.br
AELTON FREITAS - dep.aeltonfreitas@camara.leg.br
BILAC PINTO - dep.bilacpinto@camara.leg.br
BONIFÁCIO DE ANDRADA - dep.bonifaciodeandrada@camara.leg.br
BRUNNY - dep.brunny@camara.leg.br
CARLOS MELLES - dep.carlosmelles@camara.leg.br
DÂMINA PEREIRA - dep.daminapereira@camara.leg.br
DIMAS FABIANO - dep.dimasfabiano@camara.leg.br
FÁBIO RAMALHO - dep.fabioramalho@camara.leg.br
JAIME MARTINS - dep.jaimemartins@camara.leg.br
JÔ MORAES - dep.jomoraes@camara.leg.br
JÚLIO DELGADO - dep.juliodelgado@camara.leg.br
LEONARDO QUINTÃO - dep.leonardoquintao@camara.leg.br
MARCOS MONTES - dep.marcosmontes@camara.leg.br
MARGARIDA SALOMÃO - dep.margaridasalomao@camara.leg.br
MÁRIO HERINGER - dep.marioheringer@camara.leg.br
MISAEL VARELLA - dep.misaelvarella@camara.leg.br
NEWTON CARDOSO JR - dep.newtoncardosojr@camara.leg.br
PADRE JOÃO - dep.padrejoao@camara.leg.br
PAULO ABI-ACKEL - dep.pauloabiackel@camara.leg.br
RAQUEL MUNIZ - dep.raquelmuniz@camara.leg.br
REGINALDO LOPES - dep.reginaldolopes@camara.leg.br
RENATO ANDRADE - dep.renatoandrade@camara.leg.br
RENZO BRAZ - dep.renzobraz@camara.leg.br
ZÉ SILVA - dep.zesilva@camara.leg.br

Sugestão de texto:

Sr. Deputado (ou Sra. Deputada),

No próximo ano teremos novas eleições. Em 2014, eu e minha família votamos no senhor. Agora, temos um pedido a fazer: VOTE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E CONTRA AREFORMA TRABALHISTA. A última, sob o discurso da modernização, retroagirá nosso País ao tempo de escravidão ou semiescravidão.  A REFORMA DA PREVIDÊNCIA não é uma reforma, é a destruição da Seguridade Social no Brasil. Quero aposentar e quero que meus filhos e meus familiares – além de todos os brasileiros, claro, incluindo seus parentes – se aposentem. O País passou por três reformas da Previdência recentemente, não precisa de outras!
Por isso, solicito, em meu nome, em nome de minha família e dos mineiros, que o Sr. vote NÃO À REFORMA. Não queremos emendas a um projeto que é péssimo do início ao fim: queremos um NÃO! 
Se o Senhor não puder nos atender, também não poderemos ajudar-lhe em 2018, próximas eleições. Mais do que isso: teremos que fazer campanha contra o senhor que terá provado, se votar sim na reforma ou em a alguma emenda, que não nos representa, precisando, portanto, ser substituído por quem estiver ao lado do povo. Não seja um traidor do povo!

Grande abraço, até 2018!

Como enviar mensagens aos deputados:

1- Copie os e-mails:
dep.adelmocarneiroleao@camara.leg.br, dep.ademircamilo@camara.leg.br, dep.aeltonfreitas@camara.leg.br, dep.bilacpinto@camara.leg.br, dep.bonifaciodeandrada@camara.leg.br,dep.caionarcio@camara.leg.br, dep.carlosmelles@camara.leg.br, dep.delegadoedsonmoreira@camara.leg.br, dep.diegoandrade@camara.leg.br, dep.dimasfabiano@camara.leg.br,dep.domingossavio@camara.leg.br, dep.eduardobarbosa@camara.leg.br, dep.erosbiondini@camara.leg.br, dep.fabioramalho@camara.leg.br, dep.franklinlima@camara.leg.br,dep.gabrielguimaraes@camara.leg.br, dep.georgehilton@camara.leg.br, dep.jaimemartins@camara.leg.br, dep.jomoraes@camara.leg.br, dep.juliodelgado@camara.leg.br,dep.laudiviocarvalho@camara.leg.br, dep.leonardomonteiro@camara.leg.br, dep.leonardoquintao@camara.leg.br, dep.lincolnportela@camara.leg.br, dep.luistibe@camara.leg.br,dep.luizfernandofaria@camara.leg.br, dep.marceloalvaroantonio@camara.leg.br, dep.marceloaro@camara.leg.br, dep.marcosmontes@camara.leg.br, dep.marcuspestana@camara.leg.br, dep.margaridasalomao@camara.leg.br, dep.marioheringer@camara.leg.br, dep.maurolopes@camara.leg.br, dep.misaelvarella@camara.leg.br, dep.newtoncardosojr@camara.leg.br, dep.padrejoao@camara.leg.br, dep.patrusananias@camara.leg.br, dep.pauloabiackel@camara.leg.br, dep.raquelmuniz@camara.leg.br, dep.reginaldolopes@camara.leg.br,dep.renatoandrade@camara.leg.br, dep.renzobraz@camara.leg.br, dep.rodrigodecastro@camara.leg.br, dep.rodrigopacheco@camara.leg.br, dep.saraivafelipe@camara.leg.br,dep.stefanoaguiar@camara.leg.br, dep.subtenentegonzaga@camara.leg.br, dep.tenentelucio@camara.leg.br, dep.toninhopinheiro@camara.leg.br, dep.welitonprado@camara.leg.br,dep.zesilva@camara.leg.br, dep.brunny@camara.leg.br, dep.daminapereira@camara.leg.br
2- Clique em Cco (cópia oculta) e cole todos os e-mails;
3- Copie o "Assunto" (REFORMA DA PREVIDÊNCIA E TRABALHISTA) e cole;
4- Copie a mensagem (
Sr. Deputado (ou Sra. Deputada),

No próximo ano teremos novas eleições. Em 2014, eu e minha família votamos no senhor. Agora, temos um pedido a fazer: VOTE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E CONTRA AREFORMA TRABALHISTA. A última, sob o discurso da modernização, retroagirá nosso País ao tempo de escravidão ou semiescravidão.  A REFORMA DA PREVIDÊNCIA não é uma reforma, é a destruição da Seguridade Social no Brasil. Quero aposentar e quero que meus filhos e meus familiares – além de todos os brasileiros, claro, incluindo seus parentes – se aposentem. O País passou por três reformas da Previdência recentemente, não precisa de outras!
Por isso, solicito, em meu nome, em nome de minha família e dos mineiros, que o Sr. vote NÃO À REFORMA. Não queremos emendas a um projeto que é péssimo do início ao fim: queremos um NÃO! 
Se o Senhor não puder nos atender, também não poderemos ajudar-lhe em 2018, próximas eleições. Mais do que isso: teremos que fazer campanha contra o senhor que terá provado, se votar sim na reforma ou em a alguma emenda, que não nos representa, precisando, portanto, ser substituído por quem estiver ao lado do povo. Não seja um traidor do povo!

Grande abraço, até 2018!) e cole a mensagem:
5- Assine a mensagem;
6- Clique em "enviar"

Pronto! Ele pensará duas vezes se souber que estamos atentos!

Reforma da Previdência
Câmara Municipal aprova moção contra a Reforma

A Câmara Municipal de Brumadinho aprovou moção dwe repúdio à PEC 287, que propõe a Reforma da Previdência enviada ao Congresso pelo governo de Temer (PMDB/PSDB). A decisão foi tomada na sessão do Plenário do dia 23 de março, depois de pedido feito pela diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, SindUTE, subsede Brumadinho. Veja abaixo a moção aprovada.

“MOÇÃO Nº 06/2017 - Os Vereadores pelo Município de Brumadinho/MG, que abaixo subscrevem, vêm a público manifestar seu repúdio à Reforma da Previdência, nos termos que está sendo apresentada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional. Entre outras alterações, a PEC 287 propõe extinguir a aposentadoria por tempo de contribuição, estabelecer uma idade mínima única para aposentadoria - 65 anos, para praticamente todo o conjunto dos trabalhadores, urbanos e rurais, do setor público e do privado; professores, homens e mulheres; elevar o tempo mínimo de contribuição, além de diversas outras alterações incabíveis e inescrupulosas. A proposta, portanto, promove o endurecimento das regras de acesso e o rebaixamento no valor médio dos benefícios. Ao estabelecer uma idade mínima de 65 anos para aposentadoria para praticamente todos os cidadãos, a PEC torna mais difícil a já árdua tarefa de se aposentar. Não se pode admitir a ideia de tratar a todos de forma igual neste caso, tendo em vista as diferentes condições de trabalho a que cada cidadão é submetido. Tomemos como exemplo os trabalhadores rurais: possuem um trabalho árduo, geralmente feito sob condições climáticas desfavoráveis; iniciam sua vida laboral muito cedo e deverão contribuir por muito mais tempo para poder se aposentar somente aos 65 anos, se conseguirem atingir esta idade ainda em condições de trabalho. O novo modelo de cálculo do benefício tomará como base 51% da média de todas as contribuições desde 1994, mais 1% por ano de contribuição, o que significa, na prática, contribuição ininterrupta desde os 16 anos de idade até os 65 anos, o que não acontecerá nem na melhor das hipóteses. Sendo assim, aprovar esta PEC nos termos que se apresenta, caracterizará um grande retrocesso aos direitos dos trabalhadores e penalizará, principalmente, a população mais carente de nosso país. Diante do exposto enviamos nosso Repúdio à PEC da Reforma da Previdência, como forma de demonstrarmos nosso apoio à classe trabalhadora, não só de Brumadinho mas de todo país, pois não podemos concordar com uma lei que vai retirar direitos adquiridos com muita luta por tantos cidadãos brasileiros, que trabalham arduamente contribuindo sobremaneira para o desenvolvimento do nosso país. Câmara Municipal de Brumadinho, 23 de março de 2017.

Edição 196 – Março 2017
Reforma da Previdência
Luta também em Brumadinho

Brumadinho é, historicamente, uma cidade que não se mobiliza nas grandes lutas nacionais e nas locais. Os trabalhadores do Estado de MG já chegaram a fazer greves de mais de mês enquanto os professores daqui trabalhavam normalmente, como se nada estivesse acontecendo. No entanto, isso vem mudando gradativamente. Já no ano de 2016, estudantes patrocinaram bate-papo, aulão e até passeata contra a PEC 241/55.
Neste ano, quem está dando show são os trabalhadores e alunos do Grêmio da Escola Estadual Paulina Aluotto Ferreira. Esses trabalhadores, agindo como deve ser na democracia, respeitaram a decisão da Assembleia Estadual da Educação e aderiram à greve. Mas não ficaram só nisso.
Muitos professores, tendo à frente a direção do Sind-UTE (Lilian Paraguai, Mario Celeste, Zelinha, Sandra Cristina, Eudes e outros) ainda tentaram mobilizar outros trabalhadores que, mesmo sendo professores, ainda não perceberam a gravidade do momento. Mesmo sendo destratados numa ou noutra escola mesmo sendo tratados como inimigos por colegas, se mantiveram firmes.  

Debate com deputada

No dia 17 de fevereiro, o SindUTE promoveu um debate com a deputada estadual Marília Campos (PT). Marília estava acompanhada pelo economista José Prata Araújo, colaborador do mandato que fez a palestra sobre a Reforma da Previdência.

Participação nos atos em BH

Diversos professores estiveram presentes nas manifestações em BH, sempre acompanhados de estudantes da Paulina que fazem parte do Grêmio Estudantil.

Reunião com pais, roda de conversa e coleta de assinaturas

Preocupados em esclarecer aos pais os motivos da greve e sobre a Reforma, Sindicato, professores e grêmio fizeram mais dois eventos na Paulina. Em um deles, reuniu os pais para um bate papo sobre as propostas do governo Temer. Noutro, convidaram toda a cidade – e professores que estavam “furando” a greve – para uma roda de conversa sobre o assunto.

Já no daí 31 de março, Dia de Mobilização Nacional, professores e alunos estiveram na Praça da Bandeira coletando assinaturas contra as reformas do Governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB/PSDB).     
Edição 196 – Março 2017


Deputado mais votado em Brumadinho é contra seus eleitores e nossa população


Toninho Pinheiro (PP) é foi o deputado federal mais bem votado em Brumadinho em 2014. Ele foi apoiado pelo então Secretário de Saúde, Zé Paulo (PSDB), pela maioria dos vereadores da época (Ninho, Xodó, Cuecão, Itamar Franco, Ró do Tejuco) e o governo municipal. Obteve 2.828.
Segundo o próprio deputado, só de dinheiro lícito (excluído o Caixa 2) ele gastou R$ 4.300.000,00 (quatro milhões e trezentos mil reais) em sua campanha, dos quais R$ 1.300.000,00 recebidos dos Supermercados BH (que recentemente se instalou em Brumadinho e em Ibirité, curral eleitoral do deputado).
Eleito, Toninho Pinheiro nunca fez nada para Brumadinho, nem sequer fez como outros deputados que arrumam recursos ou mesmo ambulâncias para o Município.

Votos contra brumadinenses

Por outro lado, o deputado tem votado sistematicamente contra os brumadinenses, se configurando como verdadeiro inimigo de nosso povo. Ele votou a favor do Golpe de Estado dado contra a Presidenta Dilma (PT). O Golpe permitiu que Temer (PMDB/PSDB) assumisse o Governo e iniciasse a destruição dos direitos dos trabalhadores e dos mais pobres. Toninho Pinheiro tem sido parceiro de Temer na destruição do Brasil. Toninho Pinheiro votou na PEC 241, a “PEC da Morte”, que congelou por 20 anos gastos com Saúde, Educação, Assistência Social e todos os demais gastos primários de governo. Votou a favor da PEC do Ensino Médio, que destrói esse nível de ensino, retirando do currículo as matérias História, Geografia, Filosofia e Sociologia; votou a favor da PEC 395, para cobrar por curso de pós-graduação em Universidades Públicas (não aprovada por 4 votos), ou seja, novamente contra os mais pobres. Agora, votou na terceirização, Lei que permitirá aos Supermercados BH e demais patrões explorar quase à escravidão os trabalhadores de Brumadinho e do Brasil.

Reforma da Previdência

Mais uma vez o deputado Toninho Pinheiro (PP) trai seus eleitores de Brumadinho, de Ibirité e de Minas Gerais. Ele não assume que vai votar contra a reforma da Previdência. Ele quer que os brumadinenses e seus filhos fiquem sem aposentar e que nossos pobres se tornem mais pobres. Segundo o Estadão (http://infograficos.estadao.com.br/especiais/placar/votacao/economia/?id=GLwN7vXR3W), Toninho Pinheiro (PP) está indeciso se ficava do lado de Temer e dos patrões (como os supermercados BH) ou se fica do lado dos trabalhadores de Brumadinho e do Brasil.
Entre os mais votados em Brumadinho, ainda não se posicionaram contra a Reforma da Previdência estão os deputados Marcelo Aro (254 votos) e Stefano Aguiar dos Santos (205 votos); não foram encontrados para dizer sua posição.  
Recusaram-se a dizer sua posição os deputados Pastor Franklin (131 votos) e Domingos Sávio (129 votos).